A vida desregrada e o consumo de álcool e drogas encurtou a vida de diversos ídolos do rock and roll.  Alguns, porém, não morreram de formas “tradicionais”, como overdose. É o caso de John Bonham, baterista do Led Zeppelin, e Randy Rhoads, guitarrista de Ozzy Osbourne. Eles tiveram mortes tão excêntricas quanto a vida que levaram.

O jaraguaense Michel Murillo Sasse de Azevedo, de 18 anos, lamenta não ter vivenciado os anos 70. Queria ter visto as grandes bandas de rock lotando arenas, e ter ouvido seus hits nas rádios. Fã de Led Zeppelin, Michel afirma que muitos estranham o grupo ter acabado quando o baterista morreu. Mas para Michel, John “Bonzo” Bonham não era “um” baterista. Ele era “o baterista” do Led Zeppelin.

O estudante acredita que John foi um dos mais influentes bateristas de todos os tempos. “Ele criou um método completamente novo, com muito mais velocidade” afirma. De acordo com ele, apesar de John gostar de tocar no Led Zeppelin, era frustrado por não ter a sua família por perto na maior parte do tempo. Por este motivo, passou a beber cada vez mais. O fã conta que, certo dia, John consumiu muito suco de laranja com vodka. Morreu sufocado com o próprio vômito, aos 32 anos, após as 40 doses que tomou.

John “Bonzo” Bonham | Foto: DrummerWorld

Gabriel Villela Kasmierski, de 18 anos, é fã de Ozzy Osbourne.  Ao ler a biografia do cantor, outro astro do rock chamou sua atenção: Randall William Rhoads, conhecido como Randy Rhoads. O guitarrista de Ozzy, de acordo com o estudante de Jaraguá, era diferente dos demais integrantes da banda. Estudava e lecionava música, desde muito novo. “Randy se destacava por tocar em uma banda de heavy metal e apreciar a musica clássica” pontua.

A morte de Randy, segundo o fã, foi durante uma turnê nos EUA. “Foi besteira, total imprudência” diz. A banda estava a caminho de Orlando, de ônibus, mas durante o percurso o motorista Andrew Aycock decidiu parar em casa, porque precisava de uma peça. Andrew também era piloto, mas com licença vencida. “A casa dele era enorme! Tinha pista de pouso de aviões” relata Gabriel. Para aproveitar a parada, Andrew decidiu dar uma volta de avião. No primeiro passeio, levou o tecladista Don Airey e o empresário Jat Duncan. Depois convidou Randy Rhoads e a maquiadora Rachel Youngblood. O fã de Randy conta que, ao voar baixo para assustar os colegas, Andrew perdeu o controle da aeronave e acertou a traseira do ônibus e um pinheiro, foi em direção ao galpão em que o avião ficava guardado, e explodiu.

Randy Rhoads | Foto: Blog Trovatorsfactory

TEORIAS DE CONSPIRAÇÃO

Além de motivos incomuns de falecimento que acontecem no mundo do rock, existem outras razões para que haja polêmica sobre a morte (ou vida) de astros da música. Teorias da conspiração dizem, por exemplo, que Elvis não morreu, e que Paul McCartney já não está entre os vivos há décadas.

Amanda Garcia, 21 anos, cresceu ouvindo Beatles, Elvis, e Jovem Guarda. A assistente Comercial da RBS TV Joinville diz ter sofrido influência dos pais e avós, mas conta que apenas aos 16 anos, ao fazer um trabalho na escola sobre a década de sessenta, apaixonou-se de vez pela música dos reis do iê iê iê. Hoje, sua canção predileta é “All You Need Is Love”, e seu “beatle favorito” é Paul McCartney. “Paul é gênio!” afirma. Para Amanda, em sua carreira solo Paul não perdeu a qualidade e continua eternizando canções. Em novembro de 2010, a fã foi até São Paulo conferir o show do ídolo. “Simplesmente perfeito e inesquecível! O maior espetáculo que eu já vi, e duvido que algo ou alguém possa superar!” define.

Sobre a lenda da morte de Paul McCartney, Amanda diz que ele teria morrido em um acidente de carro, como “conta” a música “A Day In The Life” e várias outras “pistas” deixadas pelos outros Beatles. “Esse Paul que temos desde então seria um sósia” diz. Na opinião da assistente comercial, tudo não passa de um mal entendido. “Os próprios Beatles disseram que todos os indícios eram brincadeiras e que eles estavam até se divertindo com a situação” assegura.

Paul McCartney | Fotos: Blog Beatlescollege

De acordo com as teorias de conspiração, ao contrário de Paul McCartney, Elvis não morreu. As fãs joinvilenses Bruna Zimmermann, 23, e Thayna Luisa Rosa, 16, não acreditam nisso. Bruna afirma que existe uma corrente que defende a ideia de que Elvis teria forjado a própria morte, cansado do sucesso artístico, da vida corrida, dos shows, gravações, entrevistas e assédio em todos os lugares que ia. “De fato ele era uma pessoa de personalidade forte e aparentemente bipolar” opina. “Mas para mim não passa de uma teoria conspiratória, pois não existem fundamentos reais para se acreditar nisso” pondera a agente administrativa. Para a estudante Thayna, os fãs se recusavam a acreditar que o rei do rock havia morrido, e por isso ficou famosa a expressão “Elvis não morreu”.

Elvis Presley | Foto: Fottus.com

Bruna defende a imortalidade de Elvis como ícone do rock, já que 34 anos depois, suas músicas ainda fazem sucesso em todos os cantos do planeta. “Sem dúvida o Rei do Rock deixou sua marca por aqui” finaliza.

Elvis – O Último Show (Hurt, Hound Dog e My Way)

http://www.youtube.com/watch?v=Cn3eotGINs4

Ozzy Osbourne & Randy Rhoads Crazy Train Live After Hours

http://www.youtube.com/watch?v=67ER3SsLQY8

John Bonham Live – Moby Dick

http://www.youtube.com/watch?v=ed5YvFkcR7g

Paul McCartney – Hey Jude (Rio de Janeiro 2011)

Letícia Gonçalves